Crônica da cidade – Ao Pôr do Sol

Crônica da cidade – Ao Pôr do Sol
  10 de abril de 2019
Coordenação de textos: Antonio Carlos Pimentel / Redação: Sue Anne Calixto / Fotos: Fernando Sette Câmara – Todos os direitos reservados / All rights reserved

Crônica da cidade – Esse rio é minha rua

Crônica da cidade – Belém que me emociona

Crônica da cidade – Mosqueiro e suas histórias

Crônica da cidade – Um pouco de paz no meio da cidade

Crônica da cidade – Todos no carnaval

Crônica da cidade – Existe amor em Belém

Crônica da cidade – Égua do calor!

Crônicas da cidade – Meu país Marambaia

Crônicas da cidade – Um listão, nomes e suas histórias

Crônicas da cidade – Inverno amazônico

Crônicas da cidade – Pedreira Lomas – Linha B

Crônicas da cidade – A expressão mais pai d’égua

Esse tempo chuvoso na cidade de Belém me faz sentir uma certa saudade de ter um fim de tarde ensolarado, e assim poder assistir o meu momento favorito do dia: o pôr do sol.

Nesta época do ano, quando o tempo cinza prevalece, ver o sol no céu é algo raro.

E é aí o quanto percebo a falta que um fim de tarde ensolarado me faz.

Eu lembro de algumas voltas, às 6h da tarde, do trabalho, em dias de sorte quando tinha a oportunidade de voltar para a casa sentada, e de repente os raios entravam pelas janelas transparentes do ônibus e me davam uma sensação de paz.

Como se fosse um até logo de um dia cansativo e um aviso de que amanhã teria mais.

Por mais que as construções da cidade me impedissem de ver o céu perfeitamente, eu sempre ficava o mais atenta possível para todos as brechas no caminho, e assim poder admirar o meu céu favorito.

Outras vezes a visão vinha através do parabrisa, no carro dos meus pais.

O momento em que eu mais podia admirar a paisagem era naquele elevado que tem na Júlio Cesar.

Por mais que durasse não mais que um minuto (dependendo do trânsito, é claro), eu poderia olhar e admirar aquele momento.

Por fim, lembro de quando voltava andando para a casa. O sol sempre se punha atrás de uma praça que fica próximo onde moro. Eu nunca sabia se olhava para frente ou para o lado.

E quando eu dobrava na rua próximo a minha casa, tinha que deixar a visão para trás.

Um dos meus lugares favoritos para assistir o pôr do sol é na Estação das Docas. A visão de ver o sol indo embora e tendo ao horizonte as águas, que no caso é a Baia do Guajará, é uma das minhas coisas favoritas de se morar em Belém.

Perdi a conta de quantas vezes já vivi essa experiência. Seja com a família, com os amigos, ou com o meu amor, em todas me surpreendi.
Eu gosto dos pontos turísticos da nossa cidade por conta disso, parece que a grande maioria foi pensado para que as pessoas aprendessem a admirar a paisagem. Seja na Estação, no Forte do Presépio, no Mangal das Garças ou no Ver o Rio. Todo lugar é possível ver um pôr do sol.
Outro lugar que já tive a oportunidade de assistir foi em festas na beira do rio. Por alguns minutos nada ao redor fazia sentido a não ser aproveitar aquele momento e aquela visão, até porque enfatizo que este é o meu momento favorito do dia.

E um dos lugares mais incríveis para ter esse momento com certeza é na beira da praia. Lembro das minhas viagens para Mosqueiro em família, e às vezes que saíamos para dar uma volta nesse horário só para ter essa visão.
A verdade é que nunca é a mesma coisa, as visões nunca se repetem. As cores mudam, as formas se alteram, e talvez a única coisa que sempre permaneça seja a sensação de paz que isso traz.
Esses dias chuvosos me fazem sentir saudades. Mas não digo como algo ruim. É só a saudade do pôr do sol mais lindo que já vi, e tendo a certeza que logo poderei vê-lo novamente.