Matinta Perera – Lendas Amazônicas

Matinta Perera – Lendas Amazônicas
  5 de janeiro de 2017
Coordenação de textos: Antonio Carlos Pimentel / Redação: Juliana Dias / Fotos: Fernando Sette Câmara – Todos os direitos reservados / All rights reserved

Lendas Amazônicas - Matinta Pereira

Com poderes sobrenaturais, ela lança feitiços sobre suas vítimas capazes até de levar à morte. Quando está na sua forma mais comum, uma velha de vestido preto e cabelos caídos no rosto, costuma soltar um assobio agudo como se estivesse gritando o próprio nome.
A matinta perêra é uma das lendas que mais arrepiam os caboclos por apresentar-se de dois tipos, com asa e sem asa. E há quem jure de pés juntos que não é apenas mito, não.
Dizem que ela é um ser noturno. Quando não tem asa, pode se transformar em animais como porco, cavalo, galinha e por aí vai. Quando tem, vira um pássaro agourento chamado “Rasga-mortalha” que sempre voa nas proximidades de onde mora, causando pavor às pessoas por anunciar a morte de alguém próximo.
Diz que a receita para descobrir a identidade da velha sombria é: ao ouvir seu assovio, oferecer-lhe tabaco e café pela manhã. A primeira pessoa que chegar à casa de quem convidou pedindo essas duas coisas é a matinta. Tens coragem de testar?