Crônica da cidade – Inverno amazônico

Crônica da cidade – Inverno amazônico
  30 de janeiro de 2019
Coordenação de textos: Antonio Carlos Pimentel / Redação: Sue Anne Calixto / Fotos: Fernando Sette Câmara – Todos os direitos reservados / All rights reserved

Crônicas da cidade – Pedreira Lomas – Linha B

Crônica da cidade – A expressão mais pai d’égua

Belém do Pará tem apenas duas estações do ano. Uma na qual chove todo dia e uma em que chove o dia todo. Quando chega o mês de dezembro, os belenenses não pensam apenas no Natal. É também a época do famoso inverno amazônico, que na verdade só é inverno pra quem mora aqui mesmo. Ou a também chamada “estação que chove o dia todo”.

É o momento em que a sombrinha é o item mais importante ao sair de casa. Tem que estar preparado para no meio do dia enfrentar um toró. Lembrar que agora só vai dar pra lavar a roupa de novo lá pra abril, porque o sol vai ser coisa rara e rápida.

Mas quem vive na capital paraense tem uma maneira bem nossa de aproveitar esse período frio. E não adianta vir falar pra paraense que 23 graus não é frio. A gente tá acostumado a 40º, mana! Qualquer coisa abaixo de 30º já vai causando arrepios.

“Rapaz, tu acreditas que hoje eu dormi com o ventilador no 1?” Isso é sinal de que tá frio mesmo, mano.”

A verdade é que o povo vive esse período de frio do melhor jeito possível.  Aquelas camisas de manga comprida, os casacos, as botas e os moletons saem do fundo do armário e começam a respirar o ar fresco das ruas. É o momento de brilhar, de armar os looks para o inverno amazônico e aproveitar intensamente esse período.

Só quem é paraense entende e vive isso.